Desenvolvimento da malha aérea em áreas distantes dos grandes centros

Você está no interior do Amazonas, na cidade de São Gabriel da Cachoeira, e deseja chegar à capital do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. Você não quer passar seus próximos sete dias em barcos, ônibus e carro. Você sabe que ir por via aérea é mais confortável, barato e rápido. Mas eu tenho algo a te dizer. Você está sendo observado. Alguém sabe que você sabe que voar é melhor, e, por conta disso, esse mesmo alguém, muito longe de você, traça um voo ligando São Gabriel da Cachoeira a Porto Alegre. Você percebe o cheiro de mistério no ar?

Por Danilo Araújo.

Caro leitor, fique despreocupado, você não tem uma câmera escondida em sua casa, seu celular não está grampeado e sua mente ainda não pode ser acessada remotamente por outras pessoas. Você não está sendo perseguido, e, o mistério termina agora: as empresas aéreas adoram saber pra onde você quer ir e elas fazem isso através de pesquisa de mercado. OK, você já pode tirar a mão da frente da sua Webcam, não é por aí que estão te observando.

As grandes empresas de transporte aéreo têm setores dedicados especialmente para a análise e coleta de informações relacionadas à origem e destino de cada passageiro. Tal setor é responsável pelo desenvolvimento da Malha Aérea, e, se vocês querem saber, para mim este setor é o responsável pelo sucesso ou insucesso da companhia aérea.

Tudo começa com a referida análise e coleta de dados. Através de pesquisas de mercado, os setores de desenvolvimento de Malha Aérea conseguem determinar o número de passageiros que têm a cidade de São Gabriel da Cachoeira como origem de seus voos, por exemplo. Se tal cidade tiver um aeroporto com condições de receber voos comerciais regulares e, se principalmente, houver passageiros suficientes partindo de São Gabriel da Cachoeira todos os dias em todas as frequências diárias, um voo poderá ser implantado ali.

Mas, leitor desavisado, acalme-se. Não é porque você precisa visitar sua família uma vez ao ano em Porto Alegre que a empresa aérea vá disponibilizar um avião para você. Os estudos de ODV (Origem e Destino Verdadeiro) são extremamente complexos, e, a companhia de transporte aéreo só vai iniciar os voos para sua cidade se realmente houver a certeza de que tal voo gerará lucro.

OK. Já expliquei uma parte do conceito-chave desse artigo. Expliquei a letra “O” do termo “ODV”. Já sabemos que, se houver passageiros suficientes na Origem (densidade de passageiros), se houver infraestrutura aeroportuária, e, enfim, se houver a certeza da rentabilidade em tal operação, um voo será deslocado para atender tal cidade. Mas, e em relação ao destino? Você precisa sair de São Gabriel da Cachoeira e chegar a Porto Alegre, mas, será que todos os passageiros têm a mesma necessidade? Todos querem visitar sua família em Porto Alegre? Não!

A não ser que você tenha seu jato particular, infelizmente, se não houver densidade de tráfego com origem em São Gabriel da Cachoeira e destino em Porto Alegre a ponto de justificar um voo direto, sem escalas, você vai precisar fazer o que chamamos de Conexão. Temos, aí, um assunto interessante.

Vamos supor que haja 50 passageiros que partam de São Gabriel da Cachoeira diariamente para 50 destinos diferentes. Um quer ir para Porto Alegre, outro quer ir para Manaus, outro quer ir para Salvador e alguns outros só querem passear, retornando a sua cidade de origem ainda no mesmo dia (acredite, eu conheço gente que faz isso). A empresa aérea vai deslocar 50 aviões para atender a essa demanda? Para a tristeza de muitos, a resposta é NÃO. Mas, se há a necessidade de se atender a tal quantidade de clientes, o quê fazer?

Para você, leitor mais avisado e entendido do assunto, gostaria de ressaltar que neste artigo não nos aprofundaremos em outros aspectos como QSI, HOTRAN etc.

Desloque um avião de 50 assentos, como por exemplo, um ATR, capte todos os 50 passageiros e leve-os para um grande centro de distribuição, um aeroporto que seja capaz de distribuir os passageiros para os 50 destinos desejados. Nós chamamos tal aeroporto de HUB, e as empresas aéreas aprenderam que essa é uma forma interessante de se ganhar dinheiro.

Decolando de São Gabriel da Cachoeira e pousando em um HUB da empresa, os 50 passageiros vão se separar e, cada um irá embarcar em um voo que os levará para o próximo destino, seja ele o destino final, seja ele outro aeroporto de conexão.

Pronto, mistério revelado. Com o conceito de ODV, as empresas aéreas são capazes de desenvolver sua malha de tal forma que esta consiga captar o máximo de passageiros possível em locais afastados dos grandes centros, levando-os a qualquer um dos destinos atendidos pela malha da empresa através de conexões em HUBs e aeroportos secundários. É claro que na construção de uma malha aérea, após os estudos iniciais obtém-se a frequência ideal, o horário ideal, as características ideais, com o avião ideal para o tipo de passageiro específico a ser atendido, visando qualidade da malha desenvolvida.

Mas, fique atento, essa é só a ponta do iceberg chamado de Desenvolvimento de uma Malha Aérea. Há ainda muitas outras questões envolvidas, contudo, hoje falaremos somente dessa parte visível, deixando para outra oportunidade um maior aprofundamento nesse assunto, pois, nosso voo com destino a Porto Alegre, partindo de São Gabriel da Cachoeira com direito a duas escalas e conexões, já vai partir!

Especial Nordeste

Caros leitores,

A equipe do PlusAviation esteve em Salvador-BA no último final de semana afim de preparar a próxima série de matérias especiais aqui do portal. Serão várias matérias onde abordaremos os seguintes pontos:

– FlightCheck: Voando Azul entre Campinas e Salvador / Impressão dos voos;

– A importância da fusão AzulTrip para a integração de cidades na região nordeste;

– Impressões aeroportuárias de Salvador: Análise detalhada dos serviços oferecidos aos usuários do aeroporto, bem como alimentação, ambientação e facilidades;

– Rotina de uma tripulação técnica antes de assumir um voo na base Viracopos da AzulTrip.

– Desenvolvimento da malha aérea em áreas distantes dos grandes centros;

Aguardem pois será uma matéria bastante interessante, com bastante detalhe e informação interessante! Sugestões? Envie via comentários e email.

Um abraço,

Os editores.

20121112-100624.jpg

[Review 3]LABACE 2012 – Considerações Finais

Por Abner Araújo,

Infelizmente não conseguimos adentrar a parte executiva do A318, porém, os momentos com o comandante ultrapassaram qualquer expectativa do dia, e apesar de que no princípio houvesse muita restrição quanto à visitação das aeronaves, foi um dia simplesmente maravilhoso, onde conseguimos estar num meio em que tudo a volta nos faz bem; Olhar para os lados e observarmos pilotos por toda a parte, entrarmos nas aeronaves e discutirmos detalhes particulares de cada uma, estarmos o dia inteiro ao lado de amigos e nos voltarmos apenas para aquilo que dentre todas as coisas nos faz muito bem.

São dias assim que nos trazem a ansiedade de nos tornarmos tão logo grandes pessoas, a princípio, e grandes aviadores, a exemplo daqueles que estavam presente na LABACE que prezam pela elegância e pelo caráter dos novos estudantes de Aviação Civil presentes não somente em seus respectivos países, mas também aqui no Brasil, onde ainda temos muito que aprender e mudar.

Bem, com certeza o dia foi mais do que proveitoso, totalmente produtivo e simplesmente fantástico. Queria eu poder lhes postar fotos para poderem visualizar melhor este grande evento, mas infelizmente não pude contar com minha câmera fotográfica. Mesmo assim, espero alcançar-lhes através destas palavras e incentivá-los a estarem presentes nas próximas edições do evento.

Fica aqui um grande abraço deste que vos escreve, agradecendo novamente a oportunidade e o espaço concedido.

Abner Araújo.

 

[Review 2]LABACE 2012 – O Evento

E aqui começa o que realmente importa: nossos sonhos, nossa expectativa, nossa ansiedade, nossa realidade!

Por Abner Araújo,

De forma bem rápida fizemos minha credencial (ponto positivo para a organização do evento, que no decorrer do artigo irá contar bastante) e já partimos para o local onde nos conduziram num pequeno carro até a entrada. Então fomos recebidos com a revista completa da LABACE e nos instruíram para seguirmos nosso dia, que começava pra valer a partir deste instante!
Adentramos rapidamente e logo na entrada encontramos vários helicópteros que, em sua grande maioria, estavam sendo especulados por compradores e também por pessoas curiosas – não tão diferentes de mim, claro. Foi então que, após apreciarmos os elegantes helicópteros, seguimos mais adentro do evento e nos deparamos com o local onde se encontravam as aeronaves. Que maravilha. Desde que saímos de nossa residência até tal momento haviam se passado cerca de 4 horas e alguns minutos e, com certeza, lhes digo com total vigor: Valeu a pena. Como valeu a pena!

Logo de início já identificamos o que iríamos encontrar durante todo o tempo: Phenom 100, Phenom 300, Legacy 650, Global 6000, Falcon 2000LX, Falcon 7X, Lineage 1000 e ACJ 318 eram alguns dos atrativos mais cobiçados, dentre todas as demais aeronaves do evento. Eram estes que tinham como papel cativar o público e demonstrar todo o potencial da feira em questão.
Antes de tudo, andamos bastante por todo o território onde se encontravam as aeronaves e, depois de certo tempo, iniciamos as tentativas de entrar nas mesmas e conhecê-las em seu interior. Nossa primeira tentativa foi no Phenom 100, mas, para nossa infelicidade, quando estávamos prestes a entrar no avião, três compradores tomaram a frente e lhes foram dado prioridade, o que é totalmente compreensível.

Então, seguimos para a exposição onde se encontravam o Gulfstream G450 e G550. A princípio, entramos na fila para adentrarmos o G450, o que não tardou a acontecer. Simplesmente fantástico, lindo, magnífico! Belo avião! Todo o interior altamente tecnológico e aconchegante, tanto para os pilotos como para os passageiros. O que dizer então do Cockpit? O que mais me impressionou, além de tudo, foram as câmeras instaladas em locais não comuns nas aeronaves. Simplesmente lindo!

Deixando o G450, seguimos para a área onde se encontravam as aeronaves fabricadas pela Dassault, onde os aviões Falcon 7X e o Falcon 2000LX estavam devidamente posicionados. Adentramos ambos e também só tenho elogios a declarar: excelentes aeronaves, muito espaçosas para os passageiros e sem dúvida nenhuma, possuem uma decoração muito elegante e atraente aos olhos de interessados na compra do avião, além de sua alta tecnologia visível em cada parte de seu interior, como por exemplo, a mobilidade de seus acentos rotativos.

Após algo em torno de 10 minutos admirando as duas últimas aeronaves citadas, seguimos para os stands que se encontravam dentro de um hangar, onde encontramos amigos e conseguimos então aproveitar o momento para conversarmos e aprendermos um pouco mais com as experiências de nossos colegas. Não adianta, de todas as vezes que tive o privilégio de conhecer amigos pilotos já pude perceber que a conversa de sempre é voltada à aviação, e isto é simplesmente maravilhoso! Como é bom ouvi-los e aprender sempre um pouco mais com quem possui experiência de longa data.
Deixando o hangar, encontramos mais duas ilustres presenças que se juntaram a nós, o já conhecido por vocês, Matheus Motta, e também o amigo, Mário Dourado, recém-conhecido por mim. Juntamente com eles, seguimos para conhecer os aviões fabricados pela Embraer, o Phenom 100 e o Phenom 300, belas aeronaves, sem dúvida alguma. É muito emocionante entrar numa aeronave fabricada por uma empresa brasileira e constatar sua altíssima qualidade, alta tecnologia e seu conforto, apesar do pequeno porte do avião. Além disto, ainda tivemos o privilégio de conversarmos por bastante tempo com o piloto chefe da aeronave, o que nos deixou gratificados, sem dúvida. Tentamos também entrar no Legacy 650, porém, não nos foi permitido entrar, pois a visitação estava encerrada para as demais pessoas, exceto os investidores e compradores. Apesar da vontade que tínhamos de conhecê-lo, seguimos em frente, rumo ao Lineage 1000, também fabricado pela Embraer, um dos grandes atrativos do evento.

Foi simplesmente fantástico entrar na aeronave e ver aquele interior todo revestido em couro, o tom creme, a disposição singular dos acentos e também sua comodidade. Na minha humilde opinião, o mais belo avião dentro todos do evento. Que máquina! O único momento ruim dentro do Lineage foi quando fomos convidados a nos retirarmos, pois novamente compradores teriam a prioridade. Apesar de terem sido alguns poucos minutos, estes foram de muito prestígio e ainda assim conseguimos conhecer bem a aeronave, não em sua totalidade, mas superficialmente conseguimos visualizá-la.

Novamente abandonamos a aeronave e observamos que já escurecia lá fora, o que nos dá aquele gostinho amargo ao pensarmos que o momento de partir não tardaria a chegar.
Contudo, a LABACE ainda havia reservado dois grandes momentos, além de todos os outros já presenciados. Momentos estes que são para toda a vida, onde constatamos que o conhecimento é sim passado de geração para geração, e o entusiasmo da nossa juventude é visto com total atenção por aqueles que conseguem se recordar do momento em que estiveram em nosso lugar.
Foi-nos autorizado à entrada no G550, onde ficamos por um bom tempo apreciando a aeronave com total liberdade. As características deste belo avião já nos impressionavam por fora, com suas enormes asas, um tanto diferente das demais. Algo que também nos chamou atenção foram suas grades janelas, estas que possuem um design que não se assemelha a de nenhum outro avião no local. Já em seu interior, juntamente com o comandante que nos apresentava o avião, notamos o alto padrão voltado as suas aeronaves estabelecido pela Gulfstream, totalmente inovador e tecnológico, isto desde os controles presentes nos acentos até os painéis eletrônicos distribuídos em vários pontos da aeronave. O que dizer então do Cockpit? Apesar de muito semelhante ao G450, tivemos a oportunidade de ouvir as explicações do comandante sobre tudo o que observávamos em seu grande e modesto escritório, sendo que desta vez conseguimos captar algo ainda mais interessante: a câmera infravermelho em funcionamento, o que deixou todos nós bastante surpresos. Logo depois, ainda nos foi mostrado a visão de cada câmera presente na aeronave, o que achei bem interessante e, com certeza, um dos diferenciais deste belo avião.

Caso a LABACE terminasse após a saída do G550, com certeza sairíamos felizes e com um dia repleto de experiências para relatar. Mas, havia certo avião que ainda não tínhamos conseguido nem chegar perto, apesar das muitas tentativas frustradas. Sempre nos diziam para esperarmos o anoitecer, pois talvez houvesse a liberação para todo o público visitar tal aeronave. Bem próximo ao Lineage se encontrava o ACJ 318, reportado para a mídia como o maior atrativo do evento, e era este o nosso último objetivo do dia.

Numa outra tentativa de conhecer o avião, conhecemos o francês David, este que nos ajudou e nos conseguiu a visitação do A318, mesmo com empresários em reunião para a compra no interior da aeronave. Entramos todos os seis e nos acomodamos no Cockpit juntamente com o piloto chefe presente no local. Foi simplesmente maravilhoso ter conseguido entrar, não apenas para olhar com mais precisão e conhecer melhor o A318, mas sim porque novamente se fez presente um comandante sensacional, este que nos deu uma verdadeira aula de conhecimentos técnicos sobre o avião em questão. Ficamos mais de 40 minutos conversando com ele, que nos mostrou detalhes diferenciais da Airbus, como o sidestick que é posicionado ao lado dos pilotos, e não o manche posicionado na frente dos mesmos, como nas demais aeronaves, facilitando assim o voo e o conforto dos pilotos. Aproveitou também e mostrou os pontos positivos desta opção da Airbus, puxando uma pequena mesinha que ele alegava ser ideal durante o voo para a utilização de qualquer notebook, iPad, tablete, leitura de revistas e jornais e até mesmo para o momento do lanche.

Conversamos também sobre as grandes diferenças tecnológicas entre a Airbus e a Boeing, pois apesar de ambas serem fabricarem grandes aeronaves, possuem também grandes diferenças. Foi-nos exemplificado como é mais simples as operações no Airbus, onde aquele barulho “flic-flac” em aviões da Boeing não se faz presente, além de algo que fiquei bastante surpreso, como quando ele citou que o Cockpit do A318 era praticamente idêntico ao A380, nos dizendo que já havia pilotado o enorme avião da Airbus e as diferenças eram mínimas, apenas de software e alguns pequenos detalhes técnicos. Sensacional.

 

[…]

[Review]LABACE 2012 – Apresentação e ida para o evento

APRESENTAÇÃO E IDA PARA O EVENTO

Caros leitores e amigos.

Antes de qualquer coisa, agradeço o espaço a mim concedido por meu grande amigo João Vitor Balduino e também pelo meu irmão, Danilo Pinheiro de Araújo, para estar lhes escrevendo e relatando em detalhes todo o ocorrido no segundo dia de um dos maiores eventos de aviação da América Latina, a LABACE 2012. Também lhes peço perdão pelo relativo tempo entre o evento e a publicação deste artigo. Cá entre nós, estudar de tarde é sinônimo de falta de tempo para tudo.

Sendo assim, creio que antes de lhes escrever sobre o evento em si, é de meu dever me apresentar brevemente, de forma que as pessoas possam me conhecer e entender a importância de ter estado presente neste evento. Me chamo Abner de Oliveira Araújo, tenho 17 anos e expressando-me de forma simples, sou um amante da aviação. Não é atoa que nas três vezes em que tive o prazer de voar, um sorriso que simbolizou um grande misto de alegria e emoção com certeza se fez presente em meu semblante.

Agora, superficialmente apresentado, vamos relatar a quinta-feira 16 do mês de agosto do ano 2012. Na verdade, deveríamos começar este relato um pouco antes, mais precisamente num sábado em que eu e minha família seguíamos rumo ao aeroporto de Viracopos para buscar meu irmão, este que estava a mais de um mês na cidade maravilhosa realizando voos.
Durante nossa volta para Mogi das Cruzes e após toda a euforia de tê-lo de volta ao nosso lado, conversamos sobre muitas coisas. Conversa foi, conversa veio e, para a minha alegria, fui convidado por ele para estar presente no evento e, desde já, uma grande ansiedade já brotava em mim. Iam se formando pensamentos e expectativas que estariam à nossa espera, sendo que também tive que lidar com a ansiedade de esperar pela confirmação do meu cadastro por 24 horas. Após a confirmação, fui tomado de grande alívio e pude então relaxar e esperar o dia do evento.
Chegado o grande dia, acordei prontamente às 9 da manhã, tomei meu banho e meu café e me preparei para seguir para o evento. Não tardou muito e logo às 10 horas saíamos eu e meu irmão rumo à estação Estudantes de Mogi das Cruzes, onde pegaríamos o trem expresso e seguiríamos em direção da estação da Luz. Passado pouco mais de uma hora e meia de viagem, chegamos ao nosso primeiro destino do dia. Então, seguimos para o metrô que nos conduziria para a Sé, e então, aguardaríamos a presença de duas ilustres figuras para se juntarem a nós: Rodrigo Domingues Nastari e Miguel de Los Reyes.

Após chegarmos ao nosso terceiro destino, deixamos a estação São Judas e seguimos ao ponto de ônibus, onde aguardaríamos a viação rumo ao aeroporto de Congonhas. Para nossa sorte, o ônibus não tardou a chegar. Mais alguns minutos no ponto e o Editor deste portal não resistiria ficar apenas olhando para um comerciante que estava fazendo pastéis muito próximo ao local onde nos encontrávamos.

Tomamos o ônibus e logo que chegamos ao quarto destino do dia fomos almoçar na churrascaria Savana, um local muito agradável e aconchegante, onde realizamos nossa refeição de forma informal e bem amistosa e pudemos então nos preparar para seguir para a ANAC, onde acompanharíamos meu querido irmão, este que precisava realizar algumas pendências no local. Para nossa surpresa, não ficamos apenas aguardando o Danilo fazer o que lhe cabia, e então fomos convidados a prestigiar um lugar onde a vista para o Aeroporto era simplesmente sensacional, única palavra capaz de descrever o local onde estávamos, isto graças ao Guilherme que se encontrava por lá.
Após deixarmos a ANAC e sem mais contratempos, chegamos ao nosso quinto e último destino: a LABACE 2012.

[…]

Review – Labace 2012

Comentários, opiniões e fatos sobre a LABACE 2012, escritos pela leiga em aviação, Samara Dina.

Por Samara Dina.

Descrever algo do qual pouco se conhece, de fato, não é uma tarefa fácil, principalmente quando se trata de uma realidade de que não se está acostumada. Foi assim que me senti na Labace 2012.

O mundo da aviação realmente impressiona não só pela sua alta tecnologia e modernidade, como por todo o seu luxo. Entrar em um avião e descobrir que existem pessoas que possuem um meio de transporte maior e mais confortável que sua casa, chega a ser, até de certa forma, frustrante. Voar passou a ser muito mais que uma forma rápida de transporte, passou a ser uma comodidade. Creio que Santos Dumont nunca imaginaria que aquele aviãozinho apertado que um dia fez seu primeiro voo em Paris, chegaria aos aviões com que me deparei nessa feira, verdadeiras mansões voadoras.

Indubitavelmente, em toda feira o avião que mais me impressionou foi o Lineage 1000 da Embraer. Eu não poderia comentar sobre sua a tecnologia, motor etc., pois desconheço os detalhes técnicos, mas em relação ao design, comodidade e espaço, sobre isso posso dizer: que avião! Deu orgulho de ser brasileira e saber que nosso país constrói tais máquinas.

Abaixo, algumas fotos de nossa máquina!

Mas não apenas puxando a sardinha para o nosso lado, também posso falar dos nossos amigos estadunidense com seus luxuosíssimos aviões da Gulfstream, e suas janelas enormes! Fiquei imaginando voar naquele avião: que visão eu teria, hein?! Me impressionei também com o Global 6000 por sua beleza e tamanho, mas principalmente por ele ter um grande chuveiro instalado nos banheiros.

Gulfstream G550

Global 6000

Pude presenciar também os bonitinhos (não achei outro termo que encaixasse para a minha finalidade) monomotores: aí sim está a adrenalina de voar. Havia também o Phenom, uma graça de avião. Está certo que após entrar em um Legacy aquilo parecia um fusca, mas ainda assim não perdeu o seu charme.

Legacy 650

Phenom

A feira foi ótima experiência, onde eu pude conhecer um pouco mais sobre essa realidade para poucos que é a realidade da aviação e consequentemente, pude ter uma nova perspectiva de mundo, que, com certeza, deve parecer muito mais bonito visto de cima de um avião executivo!

PlusAviation também na LABACE 2012!

Caros leitores,

Após um pequeno recesso de férias, o Portal PlusAviation voltará com tudo: estaremos na cobertura total da LABACE 2012!

A LABACE (Latin American Business Aviation Conference & Exhibition) é a segunda maior feira do mundo em aviação executiva e, sem sombra de dúvida, é a maior da América Latina. Na última edição, de acordo com a organização do evento, passaram por lá mais de 15 mil visitantes dentre expositores, entusiastas de aviação, compradores e pilotos.

Para a aviação executiva que tem apresentado um crescimento acentuado nos últimos anos, com certeza tal evento é um marco importante e muito prestigiado por aqueles que se interessam por ela. Serão expostos produtos eletroeletrônicos voltados à tal tipo de aviação, bem como, produtos de serviço nas mais diversas áreas que partem desde atendimento ao cliente até facilidades à aeronavegação. E é claro, aviões, muitos aviões estarão em exibição.

E para cobrir de todos os ângulos a LABACE, o Portal PlusAviation conta com dois novos colunistas: Samara Dina e Abner Araújo. Ambos são entusiastas em aviação e no momento não trabalham no ramo, mas, juntos eles escreverão e trarão um pouco mais de informação sobre a feira do ponto de vista leigo no assunto. Com o objetivo de atingir um público-alvo não técnico, esses dois reforços farão um excelente trabalho em nosso Blog, sempre nos acompanhando em viagens e conferências, mostrando o que eles realmente veem.

Além dessas duas novas peças estratégicas, o Portal PlusAviation contará também com duas peças antigas: Danilo Araújo e João Balduíno. Ambos são redatores deste Blog e durante a LABACE atentarão para todos os detalhes técnicos da feira. Juntos escreverão matérias sobre tudo aquilo que interessa a compradores detalhistas e a pilotos.

Vocês não perdem por esperar! Acompanhe a LABACE através de seu site oficial (http://www.abag.org.br/labace2012/) e também pelo Portal PlusAviatio!